Início do cabeçalho do portal da UFERSA

Comunicação

Ciência explica chuvas ainda recorrentes em Mossoró no mês de julho

Meio Ambiente 21 de julho de 2022. Visualizações: 417. Última modificação: 21/07/2022 16:25:29

Chuvas acima da média no mês de julho também já foram observadas em anos anteriores em Mossoró (foto: Assecom)

As chuvas ainda recorrentes no mês de julho em Mossoró causam estranheza a quem já espera um período mais seco e característico da região do semiárido. Com temperaturas chegando à 22º em alguns momentos do dia, a sensação é de um inverno prolongado e inesperado. O professor José Espínola Sobrinho, do Departamento de Engenharia e Ciências Ambientais da UFERSA, explica que esse fenômeno já foi observado em anos anteriores e é causado pelas ondas de leste que atuam na região litorânea da região Nordeste. “Nesses locais, como Natal, João Pessoa, Recife e Maceió, o período chuvoso está atingindo o ponto máximo agora”.

A característica da chuvas, porém, é diferente da observada nos meses de janeiro a abril. “São chuvas que nós chamamos de chuvas ciclônicas ou frontais, que não são características do nosso período chuvoso”, afirma José Espínola Sobrinho, que é pesquisador das áreas de Climatologia e Meteorologia. “São chuvas que ocorrem pela manhã, à noite ou de madrugada e que são calmas, sem relâmpagos, sem trovão e sem vento”. A proximidade do interior do Rio Grande do Norte com a região litorânea de outros Estados do Nordeste, como Paraíba e Pernambuco, justifica a variação do clima neste momento.

O professor Espínola lembra que em anos anteriores, como 1975, 1989, 2004 e 2011, também foram observadas chuvas fora de época em Mossoró. “Em todos esses anos tivemos mais de 100mm de chuvas em julho aqui na nossa região, embora a média seja em torno de 31mm para este mês”. Segundo ele, o fenômeno causado pelas ondas de leste pode continuar por mais algumas semanas.

“Essas chuvas mais calmas deverão continuar acontecendo toda vez que as ondas de leste, que são os sistemas que provocam chuva lá na parte leste do Nordeste, conseguirem adentrar e chegar até o interior. Às vezes até em agosto acontecem essas chuvas localizadas e de pequena intensidade como tem acontecido neste mês de julho”, avalia.