Início do cabeçalho do portal da UFERSA

Comunicação

Ufersa participa de Projeto da Agência Espacial Brasileira

Ensino, Gestão 30 de setembro de 2021. Visualizações: 232. Última modificação: 30/09/2021 09:19:20

Ufersa já participa de parceria com a AEB no Projeto Globe Brasil tendo como representante a professora Thatyara Freitas/Foto: Cedida

Reitora Ludimilla é recebida pelo presidente da AEB, Carlos Moura/Foto: Cedida

A Universidade Federal Rural do Semi-Árido participa como instituição parceira de projeto desenvolvido pela Agência Espacial Brasileira (AEB). Nesta quarta-feira, 29, a reitora Ludimilla Oliveira se reuniu com o presidente da AEB, Carlos Moura. Na ocasião, a professora tratou de convênio para que a Ufersa possa ser referência na transmissão de imagens da Região do Semiárido Brasileiro. “Trata-se de um convênio importante que irá beneficiar os cursos de Engenharias e futuro curso de física, bem como os demais cursos voltados para as Ciências Agrárias da instituição”, adiantou a professora Ludimilla Oliveira.

A reitora disse ainda que a parceria da Ufersa com a Agência Espacial já começou com a participação da Universidade no Projeto Globe Brasil, por meio do Campus Pau dos Ferros, com a professora Thatyara Freire, desenvolvendo algumas atividades planejadas com a equipe da Agência Espacial Brasileira.

GLOBE BRASIL – O Programa de Aprendizagem Global e Observações para Beneficiar o Meio Ambiente (GLOBE, Global Learning and Observations to Benefit the Environment), da Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço (NASA, National Aeronautic and Space Administration), está presente em 126 países.

No Brasil, a Agência Espacial Brasileira (AEB), autarquia vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), é a instituição responsável por implementar as atividades educacionais promovidas pelo GLOBE. Segundo a professora, Thatyara, o Globe no Brasil pretende promover o ensino e a aprendizagem da ciência, por meio de pesquisas científicas entre professores e alunos. Uma das iniciativas do programa é a realização de um Workshop do Globe no país, como forma de garantir e promover as atividades a todos os estados do Brasil.

“O programa permite que professores possam inserir as atividades em currículos escolares incentivando o desenvolvimento da pesquisa científica nas escolas em colaboração com a comunidade Globe”, afirmou. Segundo ela, para isto é importante contar com a parceria entre as instituições e o engajamento de profissionais com formação e experiência em áreas estratégicas de interesse do programa. Como é o caso da professora Thatyara Freire.

Globe no Brasil pretende promover o ensino e a aprendizagem da ciência/Foto: Cedida

O programa Globe é uma forma de conscientizar as pessoas sobre as mudanças climáticas que vêm ocorrendo nos últimos anos, e de que forma as atitudes cotidianas das pessoas podem minimizar os impactos dessa realidade. Além disso, O Globe é uma plataforma mundial de dados que possibilita cidadãos como crianças, jovens e professores a estudar, compreender e compartilhar as informações a partir do meio ambiente local do pesquisador.

A Thatyara Freire informa que está ocorrendo no formato virtual, entre os dias 27/09 e 07/10, o Workshop GLOBE Brasil 2021, onde estão sendo discutidos os métodos do programa e como coletar dados ambientais nas áreas de estudo da atmosfera, hidrologia, solos e fenologia, além dos procedimentos necessários para fazer as pesquisas científicas, com a finalidade de compreender a complexidade dos ecossistemas e do meio ambiente do planeta.

Entre outros, participam ainda do evento, a pesquisadora Roussane Low (IGES, Institute for Global Environmental Strategies), representando a NASA no evento, Juliana Falcão (Pedagoga da AEB), Aline Veloso (Física da AEB), Kleber R. da P. Ataíde (Seção de produtos de imagens de satélites do INMET, Instituto Nacional de Meteorologia). “Para mim está sendo uma experiência muito gratificante, pois além do aprendizado e da troca de experiências entre os membros desse projeto, estou podendo contribuir com as atividades que o programa desenvolve”, opinou a professora Thatyara Freire.

%d blogueiros gostam disto: