Início do cabeçalho do portal da UFERSA

Comunicação

Ufersa debate cuidado e resistência na saúde mental em mais uma Jornada do Oficinando em Rede

Destaques, Evento 6 de dezembro de 2017. Visualizações: 403. Última modificação: 06/12/2017 09:36:32

Começa nesta segunda, dia 11 de dezembro, a VI edição da Jornada do Programa Oficinando em Rede de Mossoró. Este ano, a ação vai debater o tema “Práticas de Cuidado e Resistência na Saúde Mental”. O evento está sendo organizado de modo a favorecer experiências de cuidado: vivências cenopoéticas, oficinas, rodas de conversa, experimentações que tomam por base o trabalho que coletivos realizam durante o ano e que serão acolhidos para reflexão coletiva durante a jornada.

“Experimentações em teatro, fotografia, vídeo, escrita, jogos, pintura configuram formas de cuidar e promover a saúde mental. Nesta edição, nos dedicaremos ao fazer e a reflexão sobre as experiências em saúde mental de diferentes municípios que interagem com os fazeres do Programa Rede de Oficinandos na Saúde”, explicou a professora Karla Demoly, Coordenadora do Programa Rede de Oficinandos na Saúde.

O denominador comum das ações do Oficinando é a experimentação de diferentes tecnologias da informação e da comunicação no campo da saúde mental, em ambientes que atendem crianças, jovens e adultos que vivem em diferentes circunstâncias de sofrimento psíquico / Foto cedida

A programação da VI Jornada começa na segunda e termina na terça, dia 12. Todas as ações irão acontecer no Campus da Ufersa em Mossoró. Confira aqui a programação. O programa Oficinando em Rede de Mossoró articula projetos de extensão, pesquisa e ensino, em parceria com os serviços de saúde mental de Mossoró e cidades circunvizinhas. O denominador comum desses projetos é a experimentação de diferentes tecnologias da informação e da comunicação no campo da saúde mental, em ambientes que atendem crianças, jovens e adultos que vivem em diferentes circunstâncias de sofrimento psíquico.

Os projetos são tecidos em perspectiva interdisciplinar e já acontecem em ambientes de saúde mental de comunidades fragilizadas no sentido do cuidado com a dimensão subjetiva que sustenta o viver humano.