Início do cabeçalho do portal da UFERSA

Comunicação

Estudantes de Medicina recebem prêmio por capacitação sobre Hanseníase com agentes comunitários

Estudante, Reconhecimento 6 de julho de 2017. Visualizações: 3686. Última modificação: 06/07/2017 12:07:48

Comitiva de estudantes da Ufersa durante o evento | Foto: Cedida pelos estudantes

Estudantes da primeira turma do Curso de Medicina da Ufersa participaram da Assembleia Regional Nordeste, promovida em Campina Grande/PB pela Federação Internacional das Associações de Estudantes de Medicina (IFMSA Brazil, sigla para o nome em Inglês) com a apresentação de dois trabalhos e retornaram para casa com o prêmio de 1º Lugar na categoria Activities Presentation por um deles.

Essa categoria tem por objetivo focar na apresentação de atividades desenvolvidas pelos Comitês Locais da IFMSA Brazil que sejam inovadoras – ou por ineditismo ou pelo impacto social. O trabalho vencedor apresentado pelos estudantes da Ufersa é uma parte dos resultados da capacitação com os Agentes Comunitários de Saúde – ACS de Mossoró sobre o diagnóstico, autocuidado e preconceito entorno da Hanseníase.

Estudantes de Medicina durante treinamento com os ACS de Mossoró sobre Hanseníase. | Foto: Cedida pelos estudantes

Orientada pela professora e médica Ana Flavia Sobral, a pesquisa dos estudantes reforça o papel dos agentes enquanto facilitadores e multiplicadores do conhecimento na comunidade. Somente para esta primeira fase do trabalho, já foram capacitados 27 profissionais nas Unidades Básica de Saúde – UBS das localidades dos Teimosos, Nova Vida, Alto de São Manoel e parte da Abolição. Juntas, essas áreas abrigam uma população de quase 16 mil habitantes.

Estudantes que coordenam o projeto capacitação dos ACS em Hanseníase e a orientadora Dr. Ana Flavia Sobral | Foto: Cedida pelos estudantes

Os profissionais do município participaram de atividades como Mesa-redonda para exposição de dados epidemiológicos, explanação sobre as formas de transmissão, sinais e sintomas, diagnóstico, tratamento, aspectos sociais e o papel do ACS no contexto da Hanseníase. Para avaliação dessa estratégia, eles ainda responderam questionários.

A estudante Rita de Souza Tomás Falcão é uma das autoras do trabalho e justifica a escolha do tema, sobretudo pela situação endêmica dos índices de acometidos com a Hanseníase no município de Mossoró: a taxa já chega a 3,67% em cada grupo de 10 mil habitantes. A iniciativa dos acadêmicos de graduação em Medicina da Ufersa está em andamento e, de imediato, as ações serão estendidas a mais quatro bairros.

No Portal da Saúde, o Sistema Único de Saúde – SUS descreve a Hanseníase como “uma doença crônica, infectocontagiosa” e alerta que ela atinge pele e nervos periféricos podendo levar a sérias incapacidades físicas. A prevenção e a informação são os melhores caminhos e, quanto a isso, “a educação continuada desses profissionais contribui significativamente para sua prática, bem como para a mudança de comportamento da comunidade”, conclui o trabalho dos estudantes da Ufersa.

Saiba mais sobre o Curso de Medicina da Ufersa
Conheça os cursos de graduação da Ufersa

Educação em Saúde no combate às DST’s

Ação Candlelight Memorial desenvolvida na Praça dos Esportes, em Mossoró | Foto: Cedida pelos estudantes

Estudantes de 18 escolas médicas de 7 Estados do Nordeste estavam presentes na Assembleia da IFMSA Brazil, em Campina Grande. A Federal Rural do Semi-Árido fora representada por 14 estudantes que, divididos em dois grupos, além do trabalho premiado sobre Hanseníase, também apresentaram outra pesquisa, sendo esta relacionada às Doenças Sexualmente Transmissíveis – DST. Os dois textos serão publicados no periódico Revista Saúde & Ciência Online, uma publicação quadrimestral do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde – CCBS da Universidade Federal de Campina Grande – UFCG.

No caso do  trabalho sobre as DSTs, a iniciativa parte da ação dos estudantes de Medicina em envolver Mossoró na campanha internacional de mobilização para a conscientização sobre o HIV. A iniciativa é denominada International AIDS Candlelight Memorial e ocorre sempre no terceiro domingo de maio.

Henrique Marques durante apresentação do projeto de capacitação em Hanseníase no Activities Presentation, em Campina Grande | Foto: Cedida pelos estudantes

Os estudantes da Ufersa promoveram a ação em dois momentos diferentes. O primeiro se deu a partir da instalação do símbolo internacional da causa – o laço vermelho – no dia 30 de maio, na Praça dos Esportes da Avenida Rio Branco e, no dia 2 de junho, a ação se repetiu no shopping da cidade.

Os dois casos atingiram cerca de mil pessoas com atividades, tais quais distribuição de 750 preservativos, 300 folhetos e ainda a aplicação de questionários. Os dados estão apresentados no texto submetido à programação científica do evento, que conclui apontando para a identificação de “pontos a serem trabalhados na educação popular em saúde, a sensibilização de parcela da população quanto ao tema, a disseminação de dados epidemiológicos e o esclarecimento de dúvidas da comunidade quanto ao HIV/AIDS”.

Formar médicos mais próximos das necessidades das pessoas e que entendam diferentes realidades

Andréa Taborda, coordenadora do curso de Medicina da Ufersa
Henrique Marques Dagostin participou do evento e integra também a equipe de estudantes desta segunda pesquisa. Ele reforça a importância de espaços como o que premiou o trabalho da Ufersa na medida em que compartilham as ações com toda a comunidade da IFMSA Brazil. “É importante agradecer a coordenadora Regional Sara Lopes e ao Comitê UFCG pela realização do evento. Essa iniciativa cria uma grande aproximação e socialização das ações que cada Instituição está desenvolvendo”, diz o estudante.

A coordenadora do curso, professora Andrea Taborda Ribas da Cunha, destaca a importância de experiências como esta para a formação dos estudantes. “Através deste Programa e seus encontros, eles podem vivenciar diferentes realidades de sistemas de saúde ao redor do Brasil e no mundo. Além disto, tudo ocorre através de projetos de cunho prático que beneficiam a comunidade e aproximam os alunos da mesma. Este tipo de experiência não se aprende em sala de aula somente, mas sim da vivência”, ressalta ela, complementando que “podemos, assim, formar médicos mais próximos das necessidades das pessoas e que entendam diferentes realidades, podendo ser profissionais que atuem liderando futuras mudanças dentro dos sistemas de saúde”.

Navegue no portal da Federação e conheça o trabalho desenvolvido pela IFMSA
Leia mais sobre as pesquisas desenvolvidas pelos estudantes da Ufersa no periódico Revista Saúde & Ciência Online
Acompanhe as orientações do Ministério da Saúde sobre a Hanseníase
Veja as ações desenvolvidas pela ONG Candlelight Memorial

A estudante Rita Falcão durante apresentação do poster dos trabalhos que foram publicados na Revista Saúde e Ciência Online | Foto: Cedida pelos estudantes