Início do cabeçalho do portal da UFERSA

Comunicação

Seminário na Ufersa apresenta práticas agroecológica

Ensino, Estudante, Extensão, Pesquisa 7 de julho de 2016. Visualizações: 1712. Última modificação: 07/07/2016 16:17:14
_DSC8814

Seminário de Agroecologia reúne trabalhos de pesquisas de estudantes de várias cidades da Região Nordeste/Foto: Eduardo Mendonça

Com mais de 50 trabalhos, a Universidade Federal Rural do Semi-Árido, em parceria com o Instituto Federal do Rio Grande do Norte, Articulação Semiárido Brasileiro (ASA), e a Rede de Núcleos de Agroecologia do Nordeste (RENDA) prossegue nesta quinta-feira, 07, com o I Seminário Potiguar de Agroecologia e Meio Ambiente. As atividades acadêmicas estão acontecendo no Campus Mossoró. O Seminário reúne cerca de 200 participantes, tendo como público estudantes, professores e agricultores do Rio Grande do Norte, Pernambuco, Paraíba, Piauí e Ceará.

Além da parte cientifica os participantes estão tendo de conhecer experiências exitosas no campo da agroecologia como a prática da permacultura, no Assentamento Paulo Freire, em Mossoró; os quintais produtivos, em Upanema; a produção de mudas e guardiã de sementes, em Açu; a fruticultura e a produção de hortaliças orgânicas, na Serra Mossoró e no Assentamento Primeiro de Maio.

O objetivo do I Seminário Potiguar de Agroecologia e Meio Ambiente é proporcionar aos participantes a oportunidade de aprimoramento dos conhecimentos e a trocar experiências, além de promover uma ampla discussão com vistas ao desenvolvimento técnico-científico e social através de estratégias para o manejo agroecológico. “As palestras de hoje à tarde, 07, serão abordados os temas sistema agrossilvipastoril na caatinga, produção agroecológica do mel, horticultura orgânica, e manejo do solo e água”, afirma a professora Vânia Porto, coordenadora do Seminário.

_DSC8825

Maria Helena, da UFCG e, a professora Vânia Porto, da Ufersa/Foto: eduardo Mendonça

TRABALHOS – A agroecológica, Maria Helena da Silva de Souza, da UFCG, trouxe para o Seminário o trabalho Sociabilidade e interações: relatos de um dia de campo, que aborda a importância da conservação do solo com o cultivo de várias culturas num mesmo espaço. No trabalho a professora da cidade de Sumé, na Paraíba, ressalta ainda a produção e a comercialização da compostagem para melhorar a renda da população do campo. “O Seminário tem a sua importância quando ajuda a vencer obstáculos e a melhorar a prética no campo com a troca de experiências”, opinou.

_DSC8838

Paloma e Yuri apresentam pesquisas que substituem o agrotóxico por extratos vegetais/Foto: Eduardo Mendonça

Já os estudantes de agroecologia da Universidade Estadual da Paraíba, Yuri dos Santos e Márcia Paloma, trouxeram resultados de duas pesquisas que substituem o agrotóxico por extratos vegetais. Yuri trabalhou com o milho, o neem, a pimenta malagueta e o eucalipto na produção dos extratos. Marcia Paloma com a pimenta do reino. As substâncias desenvolvidas, naturais e ecologicamente corretas, “se mostraram muito eficientes na inibição e crescimento de fungos no armazenamento das sementes, bem como contribuíram para acelerar a germinação das sementes”, afirmaram os acadêmicos.

A Utilização das podas de arvores urbanas no município de Mossoró para a produção de composto orgânico é o tema da pesquisa da servidora da Ufersa e mestranda do Programa de Pós-Graduação de Manejo e Solo, Daianni Ariane. “A pesquisa partiu de um trabalho social realizado pela Associação Comunitária Reciclando para Vida, ACREVI, com o objetivo de criar alternativas de vida para os trabalhadores veiculados com a Associação”, explica Daianni. Além do material reciclado, os catadores passaram a utilizar o lixo orgânico e a poda de árvores na produção de compostagem. “Esse composto é utilizado em hortas orgânicas cultivadas na própria associação”, afirmou.

Paralelo ao Seminário acontece o Encontro Estadual da ASA – Articulação Semiárido Brasileiro – numa preparação para o Encontro Nacional da ASA.

_DSC8842

Daianni Ariane, de crachá, apresentou pesquisa de conclusão de mestrado no programa de Pós-Graduação de Manejo e Solo da Ufersa/Foto: Eduardo Mendonça